24 de nov de 2011

O DOM DO AMOR

...assim, permanecem agora estes três: a fé, a esperança e o amor. O maior deles, porém, é o amor. 1ª Coríntios 13.13

A primeira carta aos coríntios foi escrita para corrigir erros doutrinários dentro da igreja. A prática dos coríntios tanto dentro quanto fora da Igreja já não condizia com a Bíblia e Paulo os adverte para que eles possam andar corretamente como convém a um cristão.
Nos capítulos 12-14 Paulo corrige a questão de dons naquela igreja. Imagina um culto onde no mesmo momento em que tinha um irmão pregado a Palavra, tinha outro falando alto em línguas, outro interpretando, outro gritando e uma mulher atrapalhando o marido que queria prestar atenção no culto. Desorganizado, não é? Pois era assim mesmo que acontecia na igreja de Corinto.
Paulo visa ensinar a ter ordem e decência nos cultos (cap. 14.40), mas especificamente no capítulo 13, ele ensina a usar os dons com amor. Mas como assim usar dons com amor?
Simples! Por quase todo o capítulo 12, Paulo mostra que os filhos de Deus são como um corpo, sendo Cristo a cabeça e nós os membros. Sendo assim, precisamos uns dos outros e o sofrimento de um deve ser o sofrimento do outro assim como a honra de um é a honra do outro (cap. 12.26).
Não existe um membro mais importante do que o outro, todos contribuem para o crescimento do corpo. Com isto em mente, vamos falar dos dons.
O Espírito Santo é o responsável por distribuir dons espirituais para as pessoas, e Ele faz da forma que quer e distribui o dom que quer para quem Ele quiser (cap. 12.11). Não escolhemos os dons, não temos o poder de decidir, é o Espírito que nos concede segundo a Sua soberania sabendo onde vamos ser mais úteis no corpo de Cristo.
Nenhum dom é melhor do que o outro, todos se completam e são usados para o mesmo fim, o crescimento e edificação do corpo de Cristo, e o corpo são as pessoas.
Sendo assim, entendemos que quando havia aquela desordem no culto dos coríntios, era porque os dons não estavam sendo usados com amor, cada um estava usando o dom que tinha para seu próprio benefício, e não para o crescimento do corpo.
Imagina se um órgão interno de nosso corpo não quiser mais trabalhar simplesmente pelo fato de não querer, de não estar nem aí, de querer usar suas habilidades para o próprio bem, ou até mesmo porque não está aparecendo? Nosso corpo certamente iria adoecer porque um indivíduo parou de agir com amor.
Paulo explica que esse tipo de culto não edificava nenhum deles porque simplesmente ninguém entendia o que se passava ali. Resumindo, era um caos total.
Por isso Paulo fala tais palavras no capítulo 13: “Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que retine. E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria. E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria (cap. 13:1-3)”.
De nada adianta fazer milhares e milhares de obras simplesmente porque se tem condições, ou por que se tem o dom, ou mesmo pra se aparecer, se não existir o fator principal por trás disso, o amor! Tudo o que fazemos perde o sentido sem o amor.
Imagina você ter um relacionamento com uma pessoa e ver que tudo o que ela faz por você, os presentes que você recebe, é simplesmente por obrigação, porque ela está com você, está ao seu lado e tem que fazer algo pra que você se sinta bem ao lado dela? Quanta frieza! Na certa você iria preferir alguém que não tivesse tantas condições, mas que te amasse verdadeiramente e te suportasse sempre, do que uma pessoa fria como aquela. Agora se a pessoa gosta de estar nessas circunstâncias, é porque ela é interesseira, e sabemos que isso existe por toda parte.
Paulo adverte principalmente quanto ao dom de línguas estar sendo usado de forma errada. Se você ler o capítulo 14 inteiro, irá entender melhor. Paulo nos mostra que o dom de línguas, quando usado sem alguém que saiba interpretar, serve para edificação própria. Se ele é usado e alguém consegue interpretar, a igreja toda é edificada (cap. 14.19). É preferível que alguém fale diante de toda a igreja palavras que se possa entender, do que ficar falando o culto inteiro em línguas e a igreja não ser edificada.
Por isso Paulo conclama os coríntios a usarem os seus dons com amor visando a edificação de todo o corpo.
Devemos agir também com amor em todos os lugares de convivência que estamos. No trabalho, sempre visando o crescimento da empresa e usando nossos talentos para tal; No casamento, suportando um ao outro e buscando fazer o cônjuge feliz ao invés de procurar desculpas para fazer a própria vontade, pois em todos os casos, se usarmos o que temos para benefício próprio, somente nós cresceremos, e isso não é vantagem visto que dependemos um do outro.
“O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor. O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor nunca perece (cap 13:4-8).”
Esse é o verdadeiro amor, deixar as vontades de lado pelas pessoas, ainda que muitas vezes elas não mereçam, pois o amor é paciente. É tratar as pessoas bem como gostaríamos de ser tratados, pois o amor é bondoso. É não cobiçar nada do próximo, pois o amor não inveja. É segurar a própria rédea quando conseguimos resolver o problema de alguém para não se orgulhar de ser o bom, pois o amor não se vangloria, não se orgulha. É não jogar na cara das pessoas o que fizemos por elas na primeira oportunidade e em momento algum, pois o amor não maltrata e não se ira facilmente. É não fazer algo com segundas intenções, pois o amor não procura seus interesses. É dizer a verdade da forma certa no momento certo mesmo que isso vá doer na pessoa que ouve, pois o amor não se alegra com a injustiça, mas sim com a verdade.
Amar significa muitas vezes sofrer, não ser reconhecido. E muitas vezes vai passar pela cabeça da pessoa que ama: “Não vale mais a pena, não tem mais sentido fazer o que estou fazendo e não ver resultados” Mas continue, siga em frente pois sabemos que estamos seguindo o que Deus nos mandou seguir, não simplesmente por obrigação, mas porque em primeiro lugar, nós amamos a Deus.
Pra finalizar, com respeito aos dons, nenhuma pessoa poderá ter todos eles, para que não se torne auto-suficiente, nem mesmo todas as pessoas poderão ter o mesmo dom, para que ainda continuem dependendo umas das outras. Mas o amor é o dom supremo! O amor é dom que irá durar para todo o sempre, e esse dom todo aquele que se diz filho de Deus deve ter, pois além de ser um dom, é um mandamento.
Assim, permanecem agora estes três: a fé, a esperança e o amor. O maior deles, porém, é o amor. 1ª Coríntios 13.13.
Cultivemos pois o amor...

21 de nov de 2011

TENTANDO FALAR SOBRE O NATAL

Boa noite queridos leitores! Primeiramente quero dizer que não postei nada na semana passada devido a correria que estou tendo ultimamente, mas esta semana retomarei as atividades normalmente.
Hoje vou colocar um artigo do meu querido irmão em Cristo Elvimar. Conheci ele no Seminário Vale da Benção também. Figuraça ele rsrs, quem conhece sabe. Em suas mensagens sempre me senti confrontado e pude perceber cada vez mais a realidade da Palavra de Deus. Espero que vocês gostem, pois creio que essa palavra irá falar com vocês.

Por Elvimar Gonçalves Leite
Cultura. H. Richard Niebuhr, em seu livro Cristo e Cultura, define a cultura como “o ambiente secundário que a humanidade impõe à ordem natural1. A cultura é composta de língua, hábitos, ideias, fé, costumes, organização social, invenções, processos tecnológicos e valores.” Na enciclopédia Barsa cultura é definida nos termos que seguem: “Cultura ... é o complexo no qual estão incluídos conhecimentos, crenças, artes, moral, leis, costumes e quaisquer outras aptidões e hábitos adquiridos pelo homem como membro da sociedade.” Cultura vem do latim, colere, que quer dizer ‘CULTIVAR’. O designativo acaba por ser vasto e a mais conhecida é a criada por Edward B. Tylor, citada acima. No passado, em Roma, especificamente na língua latina o sentido era de “agricultura”2. Cultura pode ser associada a obras artística e/ou técnica da humanidade, como a música erudita européia (o termo alemão “KULTUR” – cultura). 3
Acredito que todos estão percebendo que o natal esta à porta, dezembro esta logo ali na vinte e cinco de Março. É uma questão cultural, é o que dizem por aí, o que acontece todos os finais de ano, principalmente, para nós brasileiros não é verdade? E o que acontece? Comprar, dar e ganhar presentes. Não vejo problema algum em ganhar um presentinho no dia 25 de dezembro. Você vê problema? Vejo problema no montante de dívidas que muitos fazem embalados pela propaganda: “Compre hoje e comece a pagar só em Março/12”. Não vamos fazer nenhuma loucura, ok? É preferível comprar um presente que quebra, rasga, perde a cor em menos de vinte e quatro horas, na 25 de Março, do que ficar pendurado no cartão o resto do ano.
O Natal não é isso. O profeta Daniel foi um privilegiado lá na babilônia onde interpretou o sonho do rei Nabucodonosor(Dn2). O sonho causou pânico no rei que convocou toda a corte e os magos para que alguém explicasse o significado do sonho. O pessoal do rei não tinha condições para realizar a tarefa e o texto diz que “Isso deixou o rei tão irritado que ordenou a execução de todos os sábios da Babilônia”(Dn2,12). Foi emitido um documento que ordenava a morte de todos os sábios(v.13). Daniel, ao ver que Arioque ia começar a matança, “dirigiu-se a ele com sabedoria e bom senso”(v.14) e perguntou: “Por que o rei emitiu um decreto tão severo?” ao ouvir a resposta Daniel foi pedir um tempo para o rei para que ele pudesse dar-lhe a interpretação(v.15). Dividiu o problema com seus amigos e buscaram de Deus uma saída. O verso 19 relata que a Daniel foi revelado o mistério numa visão de noite. A partir do verso 20 vemos as seguintes palavras: “Louvado seja o nome de Deus para todo o sempre; a sabedoria e o poder a ele pertencem. Ele muda as épocas e as estações; destrona reis e estabelece. Dá sabedoria aos sábios e conhecimento aos que sabem discernir. Revela coisas profundas e ocultas; conhece o que jaz nas trevas, e a luz habita com ele. Eu te agradeço e te louvo, ó Deus dos meus antepassados; tu me deste sabedoria e poder, e me revelaste o que te pedimos, revelaste-nos o sonho do rei”.(Dn2.20-23)
Daniel explicou ao rei que o sonho falava dos eventos históricos no presente, pois dizia do momento em que o rei se encontrava no poder representado pela cabeça da estátua, e do futuro em que outros reinos o sucederiam (v.39). Após descrever os versos seguintes que descrevem quatro reinos, cada um por sua vez, Daniel, no verso 44, anuncia ao rei que: “Na época desses reis, o Deus dos céus estabelecerá um reino que jamais será destruído e que nunca será dominado por nenhum outro povo. Destruirá todos os reinos daqueles reis e os exterminará, mas esse reino durará para sempre. Esse é o significado da visão da pedra que soltou de uma montanha4, sem auxílio de mãos, pedra que esmigalhou o ferro, o bronze, o barro, a prata e o ouro. “O Deus poderoso mostrou ao rei o que acontecerá no futuro”. E no futuro, à época em que o império romano estava como poder vigente, nasce Jesus. O evangelista Lucas no capítulo 2. 6,7 narrou que: “Estando ali, aconteceu completarem-se-lhe os dias, e ela deu à luz o seu primogênito, enfaixou-o e o deitou numa manjedoura, porque não havia lugar para eles”. É surpreendente a história do natal. Daniel não foi o único a receber a revelação de Deus correlação ao maior evento de todos os tempos, outros homens também inspirados por Deus falaram da vinda do Messias. Isaías, Jeremias, enfim todos os que Deus convocou durante a história viram e, anunciaram pela fé o grande dia. O apóstolo Paulo considera que: “Vindo, porém, a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei.”(Gl4.4). O mundo precisava amadurecer, desenvolver-se em certo sentido, o cenário tinha que estar pronto afim de que o Autor da vida surgisse na história não como um homem especial, mas como o menino - Deus. Simeão, homem justo e piedoso que esperava a consolação de Israel, recebeu a informação de Deus que não morreria sem antes ver o Cristo do Senhor5. No templo, ao receber dos braços da mãe o menino incomum jubilosamente disse: “os meus olhos já viram a tua salvação, a qual preparaste diante de todos os povos”. Por fim, o natal é o momento de reflexão onde devemos entender que Deus cumpriu Sua promessa que era enviar o Seu Filho. O profeta Daniel viveu muitos anos na Babilônia e lá encontrou refugio em Deus. O Senhor revelou seus atos na história a um rei pagão e Daniel foi instrumento para apontar a soberania de Deus. O natal é uma demonstração de que os reinos na terra são passageiros, mas aquele que veio é Deus conosco e de reino eterno.i  É boa nova de Salvação.


1 Mundo natural ou ambiente onde a vida acontece.
2 A palavra "agricultura" vem do laim agricultūra, composta por ager (campo, território) e cultūra (cultivo), no sentido estrito de cultivo do solo.
3 Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
i O Deus de Daniel é o Rei soberano do mundo, que levanta e derruba governantes e determina com grande antecedência o futuro das nações. Ele premia a fidelidade de seus servos dedicados e os protege, mesmo quando estão longe da sua pátria. Sua soberania é especialmente manifesta em sua relação com Nabucodonosor. A ele Deus revelou a história futura, demonstrou poder de livrar os seus e deu uma lição viva sobre os perigos do orgulho. Pelas visões de Daniel, o Senhor demonstra sua soberania na história. Impérios humanos surgem e desaparecem, mas no final o Senhor esmaga a oposição gentia a seus planos e estabelece seu reino sobre a terra. (Manual Bíblico - Vida Nova)
4 Verso 34.
5 Evangelho de Lucas 2.26.






Até logo pessoal, que Deus acompanhe cada um de vocês...

14 de nov de 2011

EXPANSÃO DO REINO DE DEUS

Por Marco Morillo

Você tem contribuído para a Expansão do Reino de Deus?
“Portanto vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a obedecer tudo o que eu lhes ordenei. E eu estarei sempre com vocês até o fim dos tempos. Mateus 28. 19, 20
O Cumprimento do Ide de Jesus, de espalhar seu evangelho por todo o mundo, tem cada dia mais, sido cumprido em realidades diferentes.
Porque a responsabilidade é nossa. Se contribuirmos, o missionário pode ir, pode pregar, vidas podem ser salvas; e Deus promete nos galardoar por isso!
Porque conhecemos a Palavra de Deus. Se queremos demonstrar o nosso amor a Jesus, façamo-lo de modo prático: ORANDO, CONTRIBUINDO, ENVIANDO
Ser Crente de sofá e de Facebook é fácil, faça a sua parte.
Se você soubesse que Jesus iria voltar daqui a uma semana, o que você faria? Em que projetos você se envolveria? Em que você investiria o seu dinheiro? Com o que você gastaria o seu tempo?
A única resposta para esta pergunta é que precisamos mais do que nunca estar comprometidos com aquilo que é prioridade para Deus: MISSÕES
Como Contribuir?
Sua contribuição é um ato de adoração a Deus (Fp 4.18) e é tendo essa consciência que você deve contribuir. É uma atitude que deve ser feita com alegria e sinceridade. A oferta missionária é como aroma suave e como sacrifício aceitável e aprazível a Deus. Na mesma medida que assistimos as necessidades dos missionários no campo, tributamos culto de adoração a Deus com nossas ofertas. Dessa forma, o que é mais sublime, o que é mais tremendo, o que é mais imensurável é que sua contribuição para missões não se resume a apenas uma movimentação financeira.
Quando você dá a sua oferta missionária, desencadeia reflexos no céu e na terra; ela toca o coração de Deus e abre portas na terra. Algo espiritual acontece, de acordo com o princípio divino e eterno do plantio e colheita!
No momento de sua oferta você está dizendo a Deus que quer ter o privilégio de ser parceiro dEle no grande projeto de levar o evangelho a todos os povos. E Deus aceita a sua parceria com gratidão e lhe garante uma promessa maravilhosa: "E certamente estou convosco todos os dias, até a consumação do século" (Mateus 28:20). A partir do objetivo e do compromisso que você assumiu no seu coração perante Deus e dentro de sua fidelidade, sua contribuição se transforma numa semeadura e o dinheiro numa semente.
Galera, eu queria aproveitar esse post para falar um pouco sobre o projeto do nosso querido irmão Marco Morillo e de sua esposa Cláudia.
No mês que vem eles estarão viajando para Guiné-Bissau, no continente africano para pregar a palavra de Deus. Eles estão planejando levar para essa viajem o máximo de Bíblias que conseguirem para poder distribuir para o povo guinense. Pra quem não sabe, uma das línguas predominantes em Guiné-Bissau é o português de Portugal, tendo entre eles também dialetos em suas várias regiões, que são chamadas de tribos. Sendo assim, podemos contribuir para que esse projeto seja um sucesso!
Tenho certeza de que Deus se alegrará em nosso empenho. No blog do Marco tem mais informações sobre a viagem, bem como contato e conta para oferta de ajuda na viajem. Vou organizar em minha igreja uma oferta para que eles possam comprar Bíblias e levar nessa viagem.
Quem não puder cooperar financeiramente, ou até mesmo para os que cooperarem, vamos estar orando também e intercedendo pela vida deles para que eles consigam deixar a marca abençoada deles naquele lugar!
Deus abençoe vocês, mais informações no link http://morillo.webnode.pt/guine-bissau/

10 de nov de 2011

DEUS AGE AONDE MENOS ESPERAMOS

...quando a esmola é demais, o santo desconfia

Bom dia caros leitores! Hoje eu quero falar de uma das minhas passagens favoritas da Bíblia, que está no 2º livro dos Reis capítulo 5, versículos 1-19. Mas aqui vamos nos ater somente ao versículo 13.

Então chegaram-se a ele os seus servos, e lhe falaram, e disseram: Meu pai, se o profeta te dissesse alguma grande coisa, porventura não a farias? Quanto mais, dizendo-te ele: Lava-te, e ficarás purificado.
2 Reis 5:13

Vou explicar a história de Naamã.
Naamã era um general bem sucedido da Síria, como é dito nos primeiros versos do capítulo; porque por ele o SENHOR dera livramento aos sírios; e era este homem herói valoroso. (Verso 1)
Vemos que o valor desse general era grande, e ele era reconhecido por todos e pelo seu rei. Sua reputação no seu país era a melhor. Porém ele tinha um problema grave em seu corpo que pouco a pouco ia tirando a sua honra; ele era leproso.
Naqueles tempos a lepra era considerada uma maldição e a pessoa que a possuía tinha que ficar afastada dos demais por questões até higiênicas.
Imaginamos agora um homem muito honrado, vencedor de grandes batalhas, pai de família sendo humilhado pela lepra. Imaginamos que Naamã fosse até depressivo por não poder abraçar sua esposa, se relacionar com ela, não poder abraçar seus filhos, brincar com eles. De que adiantava tanta honra e glória se ele não podia fazer as coisas mais básicas da vida? Imagina como seria a sua vida!
Por sorte, ou até mesmo como eu gosto de pensar, pelos planos de Deus, numa de suas batalhas contra o povo de Israel, Naamã capturou uma menina e a levou com serva para a sua casa. O foco desse texto, ao contrário do que muitos pensam, não está na cura de Naamã, mas sim na atitude da menina como veremos a seguir, porém quero enfatizar em outro aspecto, particularmente no versículo 13 que está citado acima.
Essa menina foi tirada de sua casa ainda nova para ser escrava e tinha todos os motivos do mundo para ser revoltada. Mas ela servia de coração! Ela tinha Deus em seu coração!
Imagino que algumas pessoas no lugar dela não teriam a mesma atitude porque é algo difícil de se fazer. Perdoar não é fácil, é uma qualidade para os fortes.
Quando Naamã ficou leproso ela poderia ter pensado: “Tomara que esse infeliz morra logo!”. Mas ao contrário disso, ela resolveu perdoar e ajudar, e essas foram as palavras dela para a esposa do general: Antes o meu senhor estivesse diante do profeta que está em Samaria; ele o restauraria da sua lepra (Verso 3). A menina se esqueceu de todos os seus direitos e dores e indicou o caminho para que Naamã recebesse a cura.
Naquela situação o general estava topando praticamente qualquer coisa para ser restaurado, tanto que ele pediu permissão ao seu rei para que ele pudesse visitar o tal profeta, que era Eliseu. Permissão concedida, a viagem foi feita.
Porém para a sua surpresa, quando Naamã chega à casa do profeta, Eliseu nem ao menos o recebe, simplesmente manda a mensagem: “Vai, e lava-te sete vezes no Jordão, e a tua carne será curada e ficarás purificado”. (Verso 10)
O que seria aquilo? Certamente Eliseu não sabia com quem estava falando, o Grande Naamã, conquistador de grandes batalhas. O Grande General da Síria não poderia passar por um vexame daqueles, Eliseu deveria no mínimo ter descido e feito uma oração por ele, colocado as mãos sobre a lepra e num passe de mágica Naamã estaria curado! Que descaso, isso não se faz nem com um animal!
E tem outra coisa, não existiria um riozinho melhor pra Naamã pular não? Tinha que ser o Jordão? Porque na Síria existiam rios muito melhores do que o de Israel. Não, Naamã não iria pular nem uma e muito menos sete vezes no rio Jordão.
Esse foi o pensamento de Naamã, ele ficou indignado com a atitude do profeta e estava indo embora para o seu país sem nem ao menos pagar para ver se ia dar certo mesmo pular no rio. E por pouco ele vai embora sem receber a benção de Deus.
Até que no caminho um de seus servos lhe diz: “Meu pai, se o profeta te dissesse alguma grande coisa, porventura não a farias? Quanto mais, dizendo-te ele: Lava-te, e ficarás purificado.” Então o general deu ouvidos ao seu servo e pulou no rio sete vezes. Terminando de se lavar, a Bíblia diz que sua pele ficou como a de uma criança, novinha em folha!
Somos acostumados a pensar que quando a esmola é demais, o santo desconfia. Fato! Pensamos desta forma por várias vezes em nossa vida. Mas isso não se aplica à graça de Deus. Pra começar, a salvação já é de graça. Não precisamos fazer nada, nenhum sacrifício, boa obra, ser bonzinho, ajudar velhinho e ceguinho a atravessar a rua, combater o crime, nada. A salvação não vem por obras como está escrito em Efésios 2. 8-9. A única coisa que temos de fazer é crer, e a fé também vem de Deus.
Se a salvação é de graça, ou pela graça de Deus, quanto mais as bênçãos que recebemos diariamente! Porém somos acostumados a fazer tantos sacrifícios e pagar tantos preços que quando nos é pedido algo simples, como no caso de Naamã, não acreditamos.
Simplesmente temos que parar de pensar nas coisas grandes e começar a prestar a atenção nas coisas pequenas, porque é aí onde Deus trabalha.Bem está, bom e fiel servo. Sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colocarei”, foram essas as palavras de Jesus em Mateus 25.23. Não há como vermos o muito de Deus se não conseguirmos dar valor ao pouco, pois de outra forma nos tornaríamos arrogantes. Outro dia ouvi uma frase no trailer do filme Capitão América, foi algo assim: “Os fracos sabem dar mais valor na força do que os que já nasceram fortes”. E é fato! Temos que ter a humildade de ouvir o que a Palavra de Deus nos diz gostando nós ou não!
Naamã por pouco não recebe uma benção que iria mudar a sua vida, não fosse o seu servo falar que ele deveria ao menos tentar, ele teria ido embora pra casa e continuado sua vidinha mediocre.
Deus é sempre bom! Mesmo que muitas vezes a gente rejeite a Sua Palavra e fique emburrado porque as coisas não são do jeito que queremos, Ele ainda dá um jeito de avisar que o caminho que estamos tomando não está correto. Vamos então ter a humildade de ouvir àquele que só quer o nosso bem. Nada que Deus pede de nós é difícil demais que não dá pra ser feito.
O toque, a benção que Deus tem para nossa vida pode estar numa coisa simples como o perdão; perdoar ou ser perdoado; pode estar no amor ao inimigo, pode estar no simples ato de abraçar alguém necessitado e de caminhar com esse alguém. Isso pode transformar nossa vida de uma forma que nem imaginamos. E pensar que muitas vezes a gente faz tanto sacrifício para obter a benção de Deus, oramos, fazemos jejuns e propósitos sem sentido. Mas nos esquecemos que o básico de tudo é amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos.
A resposta pode estar ao nosso lado, basta termos a humildade para perceber. Deus trabalha nas coisas pequenas e através dela quer nos fazer grandes!

A partir desta segunda feira estarei compartilhando com vocês mensagens de amigos meus que estudaram junto comigo no seminário, ou da igreja que frequento, e de professores que deram aula pra mim. Espero que vocês gostem! Todas as quintas continuarei postando mensagens minhas. Um abraço e fiquem com Deus...

3 de nov de 2011

FAÇA GUERRA!

Olá meus amigos! Hoje eu quero publicar um vídeo do Pr. John Piper dos EUA que fala sobre a guerra pessoal que todos deveriam fazer. Desde que eu vi o vídeo no qual o Pr. John fala sobre a Teologia da Prosperidade eu comecei a gostar de suas mensagens. São mensagens que nos fazer pensar e refletir sobre a nossa posição como cristãos. Indico os outros vídeos desse pastor que estão disponíveis no Youtube, acredito que cada mensagem dele irá falar com cada um de vocês...


Um grande abraço, até mais...