21 de nov de 2011

TENTANDO FALAR SOBRE O NATAL

Boa noite queridos leitores! Primeiramente quero dizer que não postei nada na semana passada devido a correria que estou tendo ultimamente, mas esta semana retomarei as atividades normalmente.
Hoje vou colocar um artigo do meu querido irmão em Cristo Elvimar. Conheci ele no Seminário Vale da Benção também. Figuraça ele rsrs, quem conhece sabe. Em suas mensagens sempre me senti confrontado e pude perceber cada vez mais a realidade da Palavra de Deus. Espero que vocês gostem, pois creio que essa palavra irá falar com vocês.

Por Elvimar Gonçalves Leite
Cultura. H. Richard Niebuhr, em seu livro Cristo e Cultura, define a cultura como “o ambiente secundário que a humanidade impõe à ordem natural1. A cultura é composta de língua, hábitos, ideias, fé, costumes, organização social, invenções, processos tecnológicos e valores.” Na enciclopédia Barsa cultura é definida nos termos que seguem: “Cultura ... é o complexo no qual estão incluídos conhecimentos, crenças, artes, moral, leis, costumes e quaisquer outras aptidões e hábitos adquiridos pelo homem como membro da sociedade.” Cultura vem do latim, colere, que quer dizer ‘CULTIVAR’. O designativo acaba por ser vasto e a mais conhecida é a criada por Edward B. Tylor, citada acima. No passado, em Roma, especificamente na língua latina o sentido era de “agricultura”2. Cultura pode ser associada a obras artística e/ou técnica da humanidade, como a música erudita européia (o termo alemão “KULTUR” – cultura). 3
Acredito que todos estão percebendo que o natal esta à porta, dezembro esta logo ali na vinte e cinco de Março. É uma questão cultural, é o que dizem por aí, o que acontece todos os finais de ano, principalmente, para nós brasileiros não é verdade? E o que acontece? Comprar, dar e ganhar presentes. Não vejo problema algum em ganhar um presentinho no dia 25 de dezembro. Você vê problema? Vejo problema no montante de dívidas que muitos fazem embalados pela propaganda: “Compre hoje e comece a pagar só em Março/12”. Não vamos fazer nenhuma loucura, ok? É preferível comprar um presente que quebra, rasga, perde a cor em menos de vinte e quatro horas, na 25 de Março, do que ficar pendurado no cartão o resto do ano.
O Natal não é isso. O profeta Daniel foi um privilegiado lá na babilônia onde interpretou o sonho do rei Nabucodonosor(Dn2). O sonho causou pânico no rei que convocou toda a corte e os magos para que alguém explicasse o significado do sonho. O pessoal do rei não tinha condições para realizar a tarefa e o texto diz que “Isso deixou o rei tão irritado que ordenou a execução de todos os sábios da Babilônia”(Dn2,12). Foi emitido um documento que ordenava a morte de todos os sábios(v.13). Daniel, ao ver que Arioque ia começar a matança, “dirigiu-se a ele com sabedoria e bom senso”(v.14) e perguntou: “Por que o rei emitiu um decreto tão severo?” ao ouvir a resposta Daniel foi pedir um tempo para o rei para que ele pudesse dar-lhe a interpretação(v.15). Dividiu o problema com seus amigos e buscaram de Deus uma saída. O verso 19 relata que a Daniel foi revelado o mistério numa visão de noite. A partir do verso 20 vemos as seguintes palavras: “Louvado seja o nome de Deus para todo o sempre; a sabedoria e o poder a ele pertencem. Ele muda as épocas e as estações; destrona reis e estabelece. Dá sabedoria aos sábios e conhecimento aos que sabem discernir. Revela coisas profundas e ocultas; conhece o que jaz nas trevas, e a luz habita com ele. Eu te agradeço e te louvo, ó Deus dos meus antepassados; tu me deste sabedoria e poder, e me revelaste o que te pedimos, revelaste-nos o sonho do rei”.(Dn2.20-23)
Daniel explicou ao rei que o sonho falava dos eventos históricos no presente, pois dizia do momento em que o rei se encontrava no poder representado pela cabeça da estátua, e do futuro em que outros reinos o sucederiam (v.39). Após descrever os versos seguintes que descrevem quatro reinos, cada um por sua vez, Daniel, no verso 44, anuncia ao rei que: “Na época desses reis, o Deus dos céus estabelecerá um reino que jamais será destruído e que nunca será dominado por nenhum outro povo. Destruirá todos os reinos daqueles reis e os exterminará, mas esse reino durará para sempre. Esse é o significado da visão da pedra que soltou de uma montanha4, sem auxílio de mãos, pedra que esmigalhou o ferro, o bronze, o barro, a prata e o ouro. “O Deus poderoso mostrou ao rei o que acontecerá no futuro”. E no futuro, à época em que o império romano estava como poder vigente, nasce Jesus. O evangelista Lucas no capítulo 2. 6,7 narrou que: “Estando ali, aconteceu completarem-se-lhe os dias, e ela deu à luz o seu primogênito, enfaixou-o e o deitou numa manjedoura, porque não havia lugar para eles”. É surpreendente a história do natal. Daniel não foi o único a receber a revelação de Deus correlação ao maior evento de todos os tempos, outros homens também inspirados por Deus falaram da vinda do Messias. Isaías, Jeremias, enfim todos os que Deus convocou durante a história viram e, anunciaram pela fé o grande dia. O apóstolo Paulo considera que: “Vindo, porém, a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei.”(Gl4.4). O mundo precisava amadurecer, desenvolver-se em certo sentido, o cenário tinha que estar pronto afim de que o Autor da vida surgisse na história não como um homem especial, mas como o menino - Deus. Simeão, homem justo e piedoso que esperava a consolação de Israel, recebeu a informação de Deus que não morreria sem antes ver o Cristo do Senhor5. No templo, ao receber dos braços da mãe o menino incomum jubilosamente disse: “os meus olhos já viram a tua salvação, a qual preparaste diante de todos os povos”. Por fim, o natal é o momento de reflexão onde devemos entender que Deus cumpriu Sua promessa que era enviar o Seu Filho. O profeta Daniel viveu muitos anos na Babilônia e lá encontrou refugio em Deus. O Senhor revelou seus atos na história a um rei pagão e Daniel foi instrumento para apontar a soberania de Deus. O natal é uma demonstração de que os reinos na terra são passageiros, mas aquele que veio é Deus conosco e de reino eterno.i  É boa nova de Salvação.


1 Mundo natural ou ambiente onde a vida acontece.
2 A palavra "agricultura" vem do laim agricultūra, composta por ager (campo, território) e cultūra (cultivo), no sentido estrito de cultivo do solo.
3 Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
i O Deus de Daniel é o Rei soberano do mundo, que levanta e derruba governantes e determina com grande antecedência o futuro das nações. Ele premia a fidelidade de seus servos dedicados e os protege, mesmo quando estão longe da sua pátria. Sua soberania é especialmente manifesta em sua relação com Nabucodonosor. A ele Deus revelou a história futura, demonstrou poder de livrar os seus e deu uma lição viva sobre os perigos do orgulho. Pelas visões de Daniel, o Senhor demonstra sua soberania na história. Impérios humanos surgem e desaparecem, mas no final o Senhor esmaga a oposição gentia a seus planos e estabelece seu reino sobre a terra. (Manual Bíblico - Vida Nova)
4 Verso 34.
5 Evangelho de Lucas 2.26.






Até logo pessoal, que Deus acompanhe cada um de vocês...

Nenhum comentário:

Postar um comentário