12 de out de 2011

...tropeçar não é o mesmo que retroceder...

Nestes últimos dias tenho meditado bastante e até lido um pouco sobre a fé e a graça de Deus. Tenho buscado compreender o que é viver pela fé e pela graça de Deus, o que em minha opinião, são coisas inseparáveis. Então, por essa razão, decidi colocar como o meu primeiro post uma mensagem sobre a fé.
“Mas o justo viverá pela fé, e se retroceder não me agradarei dele. Nós, porém, não somos dos que retrocedem e são destruídos, mas dos que crêem e são salvos. Ora, a fé é a certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos”
 (Hebreus 10:38 – 11:1)
No contexto, o escritor fala sobre esfriamento na fé e sobre o sacrifício de Cristo para nos salvar. Ele explica que a morte de Jesus foi e é o suficiente para apagar todos os nossos pecados. Porém o problema era que a vida de fé e gratidão que as pessoas deveriam viver após conhecerem a Cristo, não estava sendo vivida. Elas estavam vivendo de acordo com suas próprias regras e padrão e retrocederam no caminho da fé.
Por esse motivo o autor escreve esta carta, para orientar sobre a obra de Jesus e mostrar o caminho de fé que devemos percorrer.
O justo viverá pela fé: Hoje em dia ouvimos bastante a expressão viver pela fé. Mas será que realmente sabemos o que é viver pela fé? Muitas pessoas consideram a fé como algo irracional, mesmo que com palavras não digam isso. Só pelo modo de viver já percebemos que para alguns, a fé é irracional. Exemplo: Não preciso analisar se é real ou não, só preciso sentir! Só que muitas vezes os nossos sentidos nos enganam e sempre percebemos mais tarde que tomamos alguma decisão errada.
As pessoas ouvem sobre o chamado de Abraão, o homem que saiu da sua terra, da sua parentela e foi para onde Deus o levou sem saber onde estava indo. As pessoas ouvem que ele foi um homem próspero em tudo o que fez e que Deus supriu todas as necessidades dele. E de repente, elas começam a pensar: “Poxa, eu quero isso pra minha vida! Eu quero viver pela fé também!”
Amém! Mas viver pela fé não se resume em arrumar as malas e sair sem rumo. Abraão foi chamado por Deus para fazer o que fez, ele tinha certeza daquilo, ele tinha ouvido a voz de Deus. A fé de Abraão não se resumia a uma mera emoção, mas sim em uma experiência de realmente ter sido chamado por Deus. Viver pela fé significa estar em sintonia com a vontade de Deus, e como conseguimos isso? Através da oração.
Não quero racionalizar a fé de modo que todos os sentimentos e experiências com Deus tenham que sumir, porém, como já dizia John Stott: “Crer também é pensar”.
Isso eu digo na questão de chamado ministerial, porém o viver na fé que o autor de Hebreus nos ensina não tem a ver somente com chamado ministerial, mas sim com a vida em si que um cristão leva. Nesse caso, o ministério é apenas o efeito do viver pela fé, e não a causa. Ou seja, não vivemos pela fé porque temos um dom que exercemos na casa de Deus, mas temos um dom porque vivemos pela fé.
Viver pela fé é não retroceder à vida que levamos anteriormente. Antes de conhecermos a Cristo, nas palavras do apóstolo Paulo, não tínhamos esperança e estávamos sem Deus no mundo. (Efésios 2:12). Porém, quando Ele veio a cada um de nós, Ele nos deu nova vida, e essa vida devemos viver pela fé.
Não retroceder é não dar as costas a essa vida que Cristo nos deu, é olhar em frente e sempre ter em mente um alvo: Jesus Cristo.
Imagine sua vida sendo uma estrada, e esta estrada só tem um caminho que leva aonde você deve chegar. É uma via de mão única, porém com várias saídas. O caminho é o caminho que leva ao Céu, as saídas são as várias ofertas, tentações e muitas outras coisas que o mundo e o Diabo podem nos oferecer. Tudo para nos tirar do caminho correto. Só há um caminho, e este caminho deve ser trilhado pela fé, pois só assim resistiremos às propostas erradas desta vida.
Viver pela fé é estar o mais próximo possível de Deus, seja isso com oração, jejum, leitura da Palavra, caridade, amor, e tudo o mais que a Palavra de Deus nos ensina. É abandonar o pecado e as propostas indecentes que nos são oferecidas dia a dia. É deixar de lado tudo o que pode prejudicar o nosso espírito e de alguma forma, aquilo que pode magoar o coração de Deus.
Agora muitos podem pensar: Este caminho é muito difícil, será que se eu errar Deus vai me condenar? A resposta é não! Imagine que todas as vezes que errarmos seria como que tropeçar no caminho, mas tropeçar no caminho não é o mesmo que retroceder.
Pois bem, muitas pessoas retrocedem por não conhecer a graça de Deus. O escritor de Hebreus não quis em momento algum afirmar que nesta caminhada não podemos errar, ele disse que não podemos retroceder. Permanecer no erro é uma forma de retroceder.
O Senhor Jesus Cristo sabe como nós somos fracos (Mateus 26:41) e ele nos entende por que passou pelo que nós passamos quando Ele esteve na terra.
Todos os nossos erros e pecados serão perdoados por Ele desde que com sinceridade e arrependimento haja uma confissão de fé, pois, nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus (Romanos 8:1). Estar em Cristo Jesus significa não abandonar a caminhada.
João disse: Filhinhos, estas coisas vos escrevo para que não pequeis, porém se alguém pecar, saiba que temos um advogado junto ao Pai, que é Jesus Cristo, o Justo. (1a João 2:1). A graça de Deus é isso, perdoar os nossos pecados pelo sacrifício de Jesus na cruz.
Sabendo disso, prossigamos na estrada da fé que nos leva ao encontro de Deus sem retroceder, pois o justo viverá pela fé!
O interessante de se viver pela fé, é que quase sempre não sabemos onde estamos sendo levados. A fé é isso, acreditar no que não se vê, principalmente em relação a Deus. A fé é saber que Ele está lá, que Ele está nos guiando e nos guardando ainda que não o vemos. Jesus Cristo disse: Bem aventurado é aquele que não vê, mas ainda assim crê (João 20:29)
A fé, nas palavras de Kierkegaard, poderia ser comparada com um salto no escuro, pois não vemos onde estamos ou aonde vamos, mas confiamos naquele que nos guia. Também com relação ao salto no escuro podemos enfatizar, como disse meu grande amigo João Luiz, a questão do salto. Este salto nunca terá fim em vida, pois não encontraremos com o Senhor de uma forma definitiva enquanto estivermos na terra, ele só terá fim quando de fato morrermos e nos encontrarmos com Jesus. Então não precisaremos mais ter fé, pois Ele estará diante dos nossos olhos e poderemos contemplá-lo e adorá-lo pessoalmente; tampouco precisaremos ter esperança, pois todas as promessas de Deus já estarão cumpridas, só precisaremos ter o amor em nossos corações, pois este dura para sempre e é a maior de todas as virtudes (1a Coríntios 13:13).
Bom, vou encerrando por aqui. Mas para resumir, a nossa caminhada é longa e muitos são os empecilhos que querem nos fazer retroceder desta estrada na qual andamos pela fé. Façamos como o apóstolo Paulo: Esquecendo-me das coisas que ficaram para trás e avançando para as que estão adiante, prossigo para o alvo, a fim de ganhar o prêmio do chamado celestial de Deus em Cristo Jesus (Filipenses 3:13-14).
Este clip que eu vou deixar pra vocês é da banda Switchfoot, a música se chama I Dare You to Move. Tem a ver como post de hoje.

Um grande abraço para todos vocês, fiquem com Deus e no próximo post tentarei escrever menos rsrsrs.

Nenhum comentário:

Postar um comentário